Abril, 2011 | www.abreti.org.br  

Governo vai evitar novas medidas para segurar alta do real


04/04/2011 - DCI

São Paulo - O governo brasileiro vai tolerar o dólar abaixo de R$ 1,65 por ora e não planeja grandes medidas para evitar a valorização do real no curtíssimo prazo, disseram fontes do governo.

A presidente Dilma Rousseff está preocupada com a nova onda de desvalorização do dólar, que atingiu o maior nível desde agosto de 2008 na sexta-feira e fechou a cerca de R$ 1,612. Contudo, fontes disseram que Dilma também está preocupada com a alta inflação e os preços do petróleo, e acreditam que uma moeda forte poderia ajudar a reduzir as pressões inflacionárias.

"A atitude por enquanto é esperar para ver", disse uma das fontes. "Não temos nenhuma boa opção." O governo vinha defendendo o piso informal de R$ 1,65, implementando novas medidas de intervenção como o aumento do imposto sobre compras de bônus por estrangeiros quando a moeda ameaçou ultrapassar esse nível. O real acumula alta de 2,5% neste ano e de 40% desde 2009.

A valorização do real prejudica a indústria manufatureira, mas a equipe econômica do governo decidiu não anunciar novas medidas por ora, acreditando que uma moeda um pouco mais forte pode agir como um freio à inflação e reduzir a ameaça dos preços elevados do petróleo, disseram as fontes.

As autoridades também temem que possíveis novos controles de capital tenham consequências negativas, repelindo o investimento produtivo estrangeiro. "Você precisa ter cuidado", disse uma das fontes.

As autoridades acrescentaram, porém, que podem abruptamente mudar a estratégia e implementar controles de capital se o real continuar a se fortalecer mais. Elas também disseram que o Banco Central continuará com as intervenções costumeiras no mercado de câmbio para limitar o máximo possível a alta do real.

As autoridades não quiseram especificar qual é o novo piso para o dólar ante o real. Mas seus comentários sinalizam uma decisão de reduzi-lo para pouco acima de R$ 1,60, já que a onda de capital especulativo e de longo prazo entrando no Brasil não dá sinais de diminuir.

As medidas recentes para conter os ingressos de capital no país tiveram resultados diminutos. Na terça-feira passada, o governo elevou o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) para empréstimos estrangeiros de até 360 dias, mas o efeito no mercado foi praticamente nulo. "Isso foi uma decepção", disse uma autoridade.

Um dos motivos da alta do real nesta semana foi o relatório de inflação do governo, que viu a inflação perto do topo da meta neste ano. Os mercados interpretaram isso como sinal de fraqueza, apostando que as autoridades terão de deixar o real subir ou recorrer a juros mais altos nos próximos meses.


R. Tenente Gomes Ribeiro nº 182-Conjuntos 23/24-Vila Mariana-São Paulo-SP-CEP 04038-040
abreti@abreti.org.br - www.abreti.org.br - Tel./Fax: 11 5084.6439